Técnico de Futebol

5939b2_46dae1dc06a84317bc53634b9c28cb67

No final dessa matéria, disponibilizamos a entrevista EXCLUSIVA que fizemos com o Técnico Estevam Soares! 

Seguir a carreira de jogador de futebol não é tarefa fácil e exige bastante talento e dedicação para alcançar o sucesso, fato que leva muitas pessoas a desistirem do intento. Porém para você que é apaixonado por futebol e não vê mais a possibilidade de se tornar um jogador ou até mesmo para você que sempre desejou, a profissão de técnico de futebol é uma boa opção.

Solta a vinheta que o assunto é de primeira!

Anunie AQUI!
No Trivela a sua marca aparece na Rede!

Há o lado glamouroso da carreira, mas a caminhada é difícil.

O primeiro passo, é entender bem de futebol. Só quem sabe tem competência para ensinar bem outras pessoas. Para conhecer e entender bem, é recomendado cursar uma faculdade de educação física, mesmo que isso não seja uma regra ou exigido. Isso vale para jogadores que decidem se tornar técnicos também.

Obtenção do CREF – Conselho Regional de Educação Física

Quando você concluir a faculdade de educação física deve procurar o CREF de sua região para se inscrever. Leve seu diploma e sua documentação pessoal. Como os demais conselhos regionais do país, eles vão cobrar uma taxa de inscrição e depois você terá que pagar a anuidade. Será fornecida uma carteira a qual conterá seu número profissional.

Alguns Conselhos permitem a filiação provisória mesmo antes de se concluir o curso propiciando facilitar estágios ou contratos de experiência.

Enquanto estuda, num período de quatro anos, deve-se procurar algum clube para começar a atuar mesmo que sem receber uma remuneração à altura, para se acostumar com o ambiente da carreira pela qual fez a opção. Provavelmente, tenha que se sujeitar a trabalhar com alguma atividade que não seja diretamente a de técnico.

O profissional deve começar o trabalho de buscar um clube para atuar como técnico. Serão muitos contatos, telefonemas, muito “chá de cadeira”, ou seja, ela terá que ter muita paciência para aguardar reuniões até chegar a uma reunião para decisão. Novamente a questão do networking torna-se importante!

Haverá grandes chances de que o clube interessado não esteja localizado em um grande centro econômico financeiro. Isso significa que a pessoa terá que avaliar a possibilidade de trabalhar em uma cidade fora dos grandes centros, tendo de se adaptar à vida daquela localidade, muitas vezes deixando família e conforto.

Um time de menor expressão pode se transformar em uma vitrine para um profissional. Se apresentar bons resultados em um time pequeno, o técnico poderá ter exposição para grandes times e poderá ser contratado por um deles. E se tornar um grande nome do futebol como existem grandes exemplos no Brasil. Mas, tem uma regra comum: o técnico sempre estará na corda bamba, pois poderá perder o cargo a qualquer momento, por motivos técnicos ou políticos.

É complicado começar a investir em cursos ou licenças, sem estar empregado na área do futebol, mas, com certeza o profissional que estiver interessado e apresentá-los em seu currículo, sairá na frente dos demais.

Sindicatos

O profissional poderá associar-se no sindicado dos treinadores do seu Estado, para profissionalizar-se ainda mais com cursos e ficar por dentro das novidades.

Para os paulistanos, o SITREFESP é altamente recomentado!

bt_topo_logo

 

Curso de técnico de futebol da ABFT

logo

A Associação Brasileira de Técnicos de Futebol é uma associação que tem por objetivo principal a formação de treinadores, buscando sempre a excelência nos seus cursos.

A intenção do curso é estar em consonância com os mais exigentes padrões de excelência estabelecidos pela UEFA.

Os cursos de técnicos de futebol da ABFT são divididos em duas categorias;

Curso de formação de treinadores de futebol licença A e B.

O curso para licenças A e B como técnico de futebol é composto por aulas teóricas e práticas, além de estágio supervisionado em equipes de times profissionais do Rio de Janeiro.

Curso de formação de treinadores de futebol licença C

Para dar continuidade a formação das pessoas que fizeram o curso das categorias A e B, a ABFT criou o curso para habilitação na categoria C.

Curso de técnico de futebol da CBF Academy

logo-wide

Fundada em 2016 com o intuito de contribuir de forma relevante com o futebol e com os profissionais que trabalham nessa área, a CBF Academy possui diversos cursos para técnicos de futebol e demais profissionais da área.

A CBF Academy possui diversos cursos para técnicos de futebol divididos por módulos que devem ser feitos separadamente.

1 – Análise de desempenho no futebol profissional

O curso é destinado a profissionais que atuam ou desejam atuar na área como analista de desempenho de futebol.

2 – Coordenação técnica nas categorias de base

Esse curso é destinado aos profissionais que desejam atuar como coordenadores técnicos das categorias de base do futebol.

Além desses dois cursos principais, a CBF Academy também possui outros cursos na área técnica do futebol como os cursos de, força, potência e velocidade da base ao profissional, preparação física nas categorias de base e treinamento de goleiros nas categorias de base.

 

Curso online de técnico de futebol

logo_udof

Para você que não possui a opção de ter uma escola especializada na sua cidade, existem cursos online para técnicos de futebol.

Uma boa opção é a Universidade do Futebol, que possui cursos totalmente online e com certificação UdoF que é reconhecido em todo o mercado do futebol.

Através do site você tem a possibilidade de escolher entre diversos cursos que prometem te aperfeiçoar enquanto técnico ou empresário no ramo do futebol.

Futebol Clássico x Futebol Moderno

O profissional que deseja ser um Técnico de Futebol, precisa estar antenado ao mundo da bola! Não apenas em questões atuais, mas buscar se aprofundar na história do futebol:  na evolução e adequação físico e tático, aprimoramento técnico e etc.

Vamos ilustrar jogadores mundialmente famosos, mas, a realidade de quem começa como Técnico de Futebol é bem diferente. Será um desafio trabalhar com uma equipe quase anônima no mundo da bola, buscar contratações junto com o Gestor Esportivo de jogadores a custo zero.

É de extrema importância formular um banco de dados de atletas! Isso mesmo! Reunir contatos, participar de peneiras e potencializar a sua networking!

Questões do dia a dia…

  • Messi é melhor que Pelé?
  • O maior time de futebol da história jogou em 1962 ou em 2014?
  • O futebol de hoje é melhor ou pior que o futebol de antigamente?

Quando menos se espera, essas perguntas voltam a pipocar em discussões, seja na televisão ou numa mesa de bar.

Normalmente, os mais saudosistas vencem. “Ninguém jamais vai superar Pelé!”, “O time de 1962 era imbatível”, “O futebol de antigamente era muito melhor”… Afinal, isso pode ser considerado verdade absoluta? É possível fazer a comparação? Por que o futebol ainda é, em pleno século XXI, um esporte tão conservador nesse aspecto?

e6c161_007afbca851e4708a57acce6cedd9032~mv2

Se dentro de campo muitas regras mudaram e o esporte evoluiu, fora dele ainda vemos um grande número de torcedores, e não só os mais velhos, repetindo mantras sobre o futebol do passado. É a cabeça conservadora do torcedor que reclama, por exemplo, da evolução física dos atletas – assim como do uso da tecnologia, para citar mais um caso.

Esse mesmo torcedor, porém, se encanta com a intensidade até o segundo final de uma partida de basquete ou de futebol americano e admira como os grandes craques do tênis conseguem suportar partidas com mais de duas horas de duração. Já quando o assunto é futebol, ele chia que o jogo virou “só correria”. De fato, com essa visão, é difícil encontrar a mesma beleza que se via tempos atrás.

O futebol clássico muitas vezes se mostrava mais bonito que o moderno por uma simples questão: a capacidade física dos atletas. Como todos corriam menos, tinha-se mais espaço, fazendo com que lindos lançamentos, dribles desconcertantes e grandes goleadas acontecessem mais frequentemente.

É impossível comparar o estilo de jogo de antigamente com o de hoje: conceitos como ocupação de espaços e compactação das linhas não existiam e, atualmente, são pontos fundamentais para quem quer praticar futebol em alto nível.

e6c161_232fc03fc95049d785aa8043ae37cf08~mv2

Ainda não se convenceu? Então vamos aos números.

Segundo um estudo da Universidade do Futebol, na década de 1980, os jogadores de alto nível corriam, em média, 8km por partida. Hoje, os atletas já conseguem percorrer até 14 km por jogo!

Na final da Champions League de 2015-16, o time do Atlético de Madrid correu 70km só no 1º tempo, uma média de 6km por jogador!

Além de se movimentar muito mais, os atletas de hoje fazem tudo de forma mais rápida. Se até os anos 1980 os jogadores chegavam à velocidade máxima de 13km/h, hoje é possível ver nomes como Bale, Walcott e Cristiano Ronaldo alcançando a marca de 37km/h em um jogo! E às vezes com a bola dominada…

A evolução física e de conceitos de jogo não para de acontecer. Não é preciso voltar tanto assim no tempo para perceber diferenças: a última seleção brasileira que realmente encantou o País tinha Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Ronaldo no ataque e, mesmo derrotados na Copa do Mundo de 2006, formavam um temível esquadrão. Dez anos depois, alguém consegue imaginar um time funcionando em campo com essas mesmas peças, sem nenhum deles voltando para marcar?

e6c161_2e381e859ad14cc4bb032b53426b0d50~mv2

Não só os atacantes do futebol moderno se deslocam com muito mais velocidade, como os defensores também correm atrás e marcam de maneira muito mais feroz. Nem por isso, porém, deixamos de ver grandes jogadas, até mesmo dos atletas de defesa. Quantas vezes Boateng ou Thiago Silva, por exemplo, não se lançam ao ataque, completam lançamentos longos e saem jogando com qualidade?

Os ídolos do passado marcaram época, merecem todas as honras e elogios. Afinal, se o futebol chegou ao nível de hoje, foi graças à contribuição de cada um deles. Para se ter uma ideia, o conceito de “jogador atleta” começou com Pelé, que era um fenômeno físico em sua época.

Afinal de contas, se Pelé jogasse hoje, teria a sua disposição todos os recursos e estudos de preparo físico para praticar o melhor futebol do mundo e, assim, continuaria sendo o rei. Será? Ao mesmo tempo, o que jogadores como Iniesta e Toni Kroos seriam capazes de fazer com a bola com o espaço e tempo que os ídolos de antigamente tinham? Por essas e outras, concluímos, sem concluir muito: a comparação é impossível.

O foco de toda essa análise não é terminar a leitura com um veredicto, mas sim entender todas as diferenças e evoluções que cada período do futebol nos trouxe. Ao invés de desmerecer as diferentes gerações, valorizemos aqueles que conseguem, ano após ano, trazer algo novo para o esporte.

Fonte: Virando o Jogo

ENTREVISTA-TEMA: TÉCNICO DE FUTEBOL

  • Nome: Estevam Eduardo Lemos Soares (Estevam Soares);Estevam Soares 2
  • Profissão: Técnico de Futebol.
  • Jogador:
    • Guarani F. C.; São Paulo F. C.; Seleção Paulista; Joinville E. C.; A. Portuguesa; C. A. Taquaritinga; E. C. Bahia; S. C. Sport do Recife; E. C. Vitória; A. A. Ponte Preta; Sampaio Corrêa; Fluminense de Feira de Santana; e E. C. Primavera.
  • Técnico de Futebol:
    • E. C. Primavera; ABC F. C.; CSA; Guarani F. C.; A. A. Ponte Preta; C. Náutico Capibaribe; Olimpik de Beirute (Libano); CRB; S. E. Palmeiras; A. D. São Caetano; Coritiba F. C.; América F. C.; Al-Ittihad (Arábia Saudita); Portuguesa-SP; Botafogo F. R.; Ceará S. C.; Oeste; Grêmio Barueri; XV de Piracicaba; C. A. Sorocaba; Rio Claro F. C.; Tupi-MG; Bragantino; e Vitória da Conquista.

 

1º Pergunta

Trivela na Rede:

Estevam Soares, de Cafelândia/SP para o Mundo!
Por favor, conte-nos com foi o início da sua carreira como zagueiro, com passagens pelo Guarani, XV de Jaú, São Paulo, Portuguesa, Bahia, Sport, Vitória, Ponte Preta, Sampaio Corrêa, Fluminense de Feira e Primavera.
Sem dúvidas que a iniciação de 1974, para os tempos atuais deve ter mudado consideravelmente na parte da Federação e profissionalização do atleta.
Pergunta! No ponto de vista da profissionalização do atleta no futebol, seja nas categorias de base ou no profissional, evoluímos ou regredimos?
E, você iniciou em 1974 no Guarani, permanecendo até 1976 e, em 1989 foi para a Ponte Preta! Como foi essa experiência?

Estevam Soares:

 

2º Pergunta

Trivela na Rede:

Como é o dia a dia de um Técnico de Futebol?
Os deveres e as obrigações, podem sofrer mudanças dependendo da estrutura do clube?
É possível implementar uma filosofia de trabalho de maneira padronizada, ou alguns clubes são resistentes a ponto de o Técnico precisar se adaptar e se reinventar?!

Estevam Soares:

 

3º Pergunta

Trivela na Rede:

A vida de um Técnico de Futebol no Brasil não é nada fácil. Diferente da Europa, três ou quatro resultados negativos já são suficientes para torcida pressionar o trabalho do Técnico, e normalmente ou quase sempre é o primeiro a ser desligado ou pedir para se desligar do cargo.
A mudança desse “conceito” deve partir de quem, quando e onde?
Como lidar e administrar essa situação? (Principalmente no início do ciclo da carreira de um Técnico de Futebol!)
Existe alguma empresa, agência ou sindicato, que auxiliar na recolocação do Técnico de Futebol no mercado de trabalho? Ou é tudo uma questão de networking/QI (contato).

Estevam Soares:

 

4º Pergunta

Trivela na Rede:

São três campeonatos a frente de uma equipe da série A1:
Estadual;
Copa do Brasil;
Campeonato Brasileiro (pontos corridos).
Quais os desafios singulares, táticos e financeiros, e as particularidades de cada campeonato na montagem e manutenção do elenco na busca por resultados?

Estevam Soares:

 

5º Pergunta

Trivela na Rede:

Alguns clubes do interior, sofrem com a falta de um aporte financeiro de respeito, precisam praticar em alto nível um futebol sem dinheiro, as vezes com instalações abaixo do desejável, precisam contratar jogadores a “custo zero”, e como se não bastasse, manter a regularidade para permanecer ou até conquistar o tão sonhado acesso.
O aparelho desfibrilador neste caso é a Copa Paulista, pelas receitas e a vitrine que gera.
A falta de calendário, receitas baixas, custos elevados, a cobrança da torcida que não levam em consideração essas dificuldades?! Sem mencionar as discrepâncias dos clubes da A1!
E, quando conseguem o tão sonhado acesso, os clubes de elite compram os melhores jogadores promovendo um desmanche sem precedentes! O clube recém promovido é novamente rebaixado.
Como administrar todas essas dificuldades? Existe uma “fórmula” mágica?

Estevam Soares:

 

6º Pergunta

Trivela na Rede:

As renuncias, abrir mão de algumas condições, mudar de cidade ou constantes viagens, ficar longe da família por alguns dias, semanas e até meses! São situações que um profissional que deseja seguir carreira como Técnico de futebol ou em outras áreas do esporte, precisa estar preparado. Com você não foi diferente.
Como foram esses momento? Que conselho você nos daria?

Estevam Soares:

 

7º Pergunta

Trivela na Rede:

Infelizmente no futebol o universo masculino e feminino divergem nos pontos de vista financeiro, espaço e relevância.
Vale ressaltar o excelente trabalho do Técnico Vadão a frente da seleção brasileira feminina e os títulos conquistados! Bem como a indicação para o prêmio de melhor do mundo na categoria.
Pergunta! O que você pensa a respeito?

Estevam Soares:

 

8º Pergunta

Trivela na Rede:

A renovação dos nossos Técnicos é algo saudável e que muitas vezes se mostra necessária.
Quando um clube da série A1 anuncia o desligamento de um Técnico, os mesmos nomes figuram como pretendidos. Entretanto, não possuímos nenhuma regulamentação obrigatória para exercer a profissão. No entanto, quando se defende essa renovação, pouco se discute uma questão muito importante: como se formam os treinadores no Brasil?
Analisando o mercado de Técnico Esportivo, com ênfase no futebol, podemos classificar que o seu ramo de negócio está em um oceano vermelho, com muitos tubarões (concorrentes).
Que conselho você daria, para aqueles que estão começando? Ainda têm espaço ou está saturado?

Estevam Soares:

 

9º Pergunta

Trivela na Rede:

Estamos falando de 25 anos (2018) na profissão de Técnico de Futebol! Acumulando ótimos resultados em grandes clubes nacionais e também no exterior.
Hoje, como o Estevam Soares olha para o passado e encara o futebol do presente para o futuro?

Estevam Soares:

 

10º Pergunta

Trivela na Rede:

Cite o nome de uma referência profissional na sua vida. Explique a sua escolha.

Em nome do Trivela na Rede, e também dos nossos leitores e assíduos do esporte, quero lhe agradecer pela entrevista, a atenção com a nossa equipe, e a forma irretocável com que conduziu cada resposta.
Deixamos o nosso espaço aberto, com o convite para novos projetos e para o que você precisar do Trivela na Rede!
Obrigado, Estevam Soares!

Estevam Soares:

 

Pergunta Bônus

Trivela na Rede:

Você prefere o modelo de pontos corridos ou mata-mata?

Aproveitando o ensejo, o que você achou do novo modelo da Taça Libertadores?

Estevam Soares:

 

You’ll Never Walk Alone

 

 

Um comentário em “Técnico de Futebol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.